segunda-feira, 4 de julho de 2022

Paulo Perre - Colaborador residente

 

A problemática do recrutamento docente

No Decreto-Lei n.º 28/2017 de 15 de março o XXI Governo Constitucional assume “a educação como eixo estratégico do desenvolvimento do País é fator primordial de promoção de justiça social. (,,,) cujo objetivo é limitar o número de contratos a termo garantindo a aplicação do princípio da não discriminação e o estabelecimento de um quadro para evitar os abusos decorrentes da utilização de sucessivos contratos de trabalho ou relações laborais a termo(...) no sentido de dar continuidade à construção de uma agenda de promoção do emprego e de combate à precariedade.”

Até 2030 mais de metade dos professores do quadro (57,8%) poderá aposentar-se. Dos 89 925 docentes dos QA/QE e QZP, que em 1 de setembro de 2019 terão 45 anos e mais de idade, 51 983 (57,8%) poderão aposentar-se num prazo de 11 anos

Há alunos que não têm professor a determinadas disciplinas logo no início do ano nem vão ter até ao final, sobretudo na região de Lisboa, Alentejo e Algarve.

O número de estudantes inscritos em cursos superiores de Educação caiu cerca de 70% desde o início do século.

Estamos perante uma problemática de causas diagnosticadas:

O envelhecimento da classe. Dos 89 925 docentes vinculados em 2019, 51 983 (57,8%) poderão aposentar-se num prazo de 10 anos: 17 830, nos primeiros quatro anos, 24 343 nos quatro anos seguintes e 9810 entre 2029 e 2030.

A precariedade profissional. Em 2019, 8% dos educadores de infância, 17% dos professores de 1.º ciclo, 16,7% dos professores de 2.º ciclo e 24,4% dos professores de 3.º ciclo e secundário tinham contratos anuais precários. 

A maioria dos horários em falta são horários incompletos. Muitos professores dos que ainda estão em falta recusaram a colocação numa escola porque iriam ganhar menos 750 euros líquidos obrigados a ser deslocados do Norte para Lisboa/Alentejo/Algarve, com as consequentes despesas acrescidas.

As consequências destes indicadores são claras. Há alunos que não têm professor a determinadas disciplinas logo no início do ano nem vão ter até ao final.

Este problema não se resolve sem uma grande reforma do sistema. Esta reforma terá de passar, obrigatoriamente, pela dignificação da carreira docente para atrair mais candidatos.

deparamos com uma problemática de causas identificadas, mas em relação às quais o ME não procurou desenvolver estratégias que conduzam à sua solução.

O regime de recrutamento e colocação de professores é complexo e aritmético. Apesar da tutela apresentar esta problemática como um constrangimento de ordem técnica, efetivamente, estamos perante um constrangimento de ordem política, que se vem agravando nos últimos anos em consequência da inexistência de uma estratégia que pudesse minorá-lo.

A maioria dos horários em falta são horários incompletos e muitos dos professores que ainda estão em falta recusaram a colocação numa escola motivados pela baixa atratividade económica dos mesmos, acrescida pelas despesas da inevitável deslocação, uma vez que a maioria dos docentes estão a ser deslocados do Norte do país para Lisboa/Alentejo/Algarve. Em consequência, há muitos alunos nestas regiões que não têm professor a determinadas disciplinas logo no início do ano nem vão ter até ao final. 

Este problema não se resolve sem uma grande reforma do sistema. Esta reforma terá de passar, obrigatoriamente, pela dignificação da carreira docente para atrair mais candidatos.

Podemos concluir que todos os agrupamentos apresentam constrangimentos similares no processo de recrutamento de professores e no preenchimento das necessidades docentes no início e ao longo do ano letivo. Independentemente de se encontrarem no Algarve, em Lisboa ou no Alto Alentejo.

A revista Educare.pt, a 16 de dezembro de 2019, abordou este tema sob o título: Haverá um modelo ideal para selecionar professores? Neste artigo, partindo de um estudo do Conselho Nacional de Educação, apresenta três diferentes modelos de recrutamento utilizados na Europa, comparando-os. Maria Emília Brederode Santos, presidente do CNE, deu a sua opinião sobre o assunto, apontando ser injusto e insuficiente fazer a seleção de professores com base apenas na nota final de curso e nos anos de serviço e que algumas escolas deveriam ter mais liberdade de escolha. Talvez a concessão de alguma autonomia no processo de recrutamento fosse capaz de minorar as dificuldades diagnosticadas?

Mas o principal problema que atualmente enfrentamos é a falta de docentes para suprir as necessidades das escolas, independentemente do modelo de recrutamento escolhido.

É urgente tornar a carreira docente mais atrativa, reconhecer a importância que um professor tem na construção de uma sociedade justa e democrática.

 

Paulo Tavares (Professor de História)

terça-feira, 5 de outubro de 2021

Meninas e mulheres

 

https://wallhere.com/

Calorosas, frias 

Na primavera mal-me-queres 

No outono procuro melhorias 


Um glaciar derrete 

E mais uma de nós se perde 

Chega de ser marionete 

Quero paz e um espaço verde 


Num lugar 

Sol, areia e um balde 

Por aqui, continuo a lutar 

Para um mundo com igualdade 


Na terra vizinha 

Vejo neve a cair 

Sei que não estou sozinha

Meninas unidas, para estereótipos destruir 


Por vezes, parece um jogo 

Mas, juntas, conseguimos vencer 

A chuva, o vento e o fogo 

Tal como nós, não têm nada a temer 


Árvores despidas 

Sem nada ... 

que em cada folha caída 

Se torne uma mulher empoderada 


O mar a subir 

Cada uma de nós também 

Um dia, ninguém nos vai proibir 

Um dia, vamos além


Não, à violência 

Chega de dor 

Sim, à exigência 

Para do mundo, cada um ser cuidador 


Tudo se altera 

Aos olhos de alguns, uma linda paisagem 

Basta, não vou ficar à espera 

Não quero ser apenas uma passagem 


Parece muito bonito 

Mas nada normal 

Nascer menina/mulher 

Seria mais fácil com um manual 


Beatriz São Facundo, 12.ºB


segunda-feira, 8 de março de 2021

"LER. LER SEMPRE. LER EM QUALQUER LUGAR".

 





Campeonato SuperTmatik de Astronomia

 

Nos dias 16 e 22 de fevereiro, pelas 14h30min, decorreu a 1.ª Eliminatória do SuperTmatik de Astronomia.

No dia 16 de fevereiro foram os alunos Raquel Jesus, Lara Peguinho e Guilherme Ramalho do 7.ºF que disputaram esta fase e no dia 22 de fevereiro foi a vez dos alunos do 7.ºE - Bárbara Rodriguez e João Rosa. 

Durante 20 minutos os alunos jogaram o número de jogos que desejaram até conseguirem alcançar o tempo mínimo de qualificação (60 segundos), no modo solitário.

Os alunos do 7.ºF - Guilherme Ramalho, Lara Peguinho e Raquel Jesus atingiram o record de 16,91s, 27,18s e 26,76s, respetivamente.

O aluno do 7.ºE - João Rosa atingiu o record de 44,50s.

Os alunos participantes estão de Parabéns!!

 Professora Paula Flores  




quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Regresso à Escola - Alunos do 4º C

                E chegou o dia tão esperado: o regresso à escola!

       Em pouco mais de duas semanas, os alunos já estão familiarizados com toda a reorganização dos espaços. E para dar a conhecer as novidades aos pais, nada melhor que tudo representar num desdobrável.

 

Um bom ano letivo para todos!





Colaboração da Professora Paula Chambel

Paulo Perre - Colaborador residente